O REENCONTRO…

Por Bird Clemente…

Estava eu na Praça Charles Muller por ocasião do evento do ACB comemorativo do centenário da primeira corrida de automóveis do Brasil, quando fui abordado por um rapaz muito simpático que me solicitou que tirasse uma fotografia com ele e seus filhos diante de seu maravilhoso Puma DKW.
Como notei que sob a palheta do limpador do pára-brisa havia uma fotografia antiga de um corredor de automóvel, perguntei-lhe lhe quem era e ele respondeu que se tratava de seu tio Luiz Américo Margarido que ele estava lá e queria me ver. Tomado de muita emoção respondi. “Onde ele esta? Faço questão e me sentirei muito honrado em vê-lo”.
Recostei -me no pára -lama do Puma e solicitei ao rapaz que aguardasse um momento para mim me recompor. A emoção foi muito grande. Acompanhei-o até o Margarido, eu mesmo me anunciei e nos envolvemos num emocionado e grande abraço.
Após os comprimentos eu lhe perguntei “Você se lembra em um treino na véspera da Mil Milhas de 1959, que na leve curva em frente aos boxes antigo, você, num limite extremo, perdeu a estabilidade direcional e entrou num pêndulo que se estendeu até quase a Curva um e conseguiu sair com muita habilidade e coragem? E ele respondeu, com os olhos marejados e um grande sorriso:” Você se lembra disso?.
Jamais vou me esquecer. Naquela época eu estava muito no começo da minha carreira, mas sempre percebi cada momento importante e este foi impressionante.
Luiz Américo Margarido foi um dos maiores pilotos de carretera que eu vi na minha vida. Ele guiava muito, era um dos mais rápidos e eu fixei muito na minha memória a sua história porque nesta época vieram três chassis Maserati 250 F de F1, praticamente novos e sem motor, que receberiam os Corvettes. Um era de Ciro Cayres, que com este carro baixou o recorde da pista de Interlagos; o outro, de Antonio Mendes de Barros, filho do Governador de São Paulo; e o terceiro, de Luiz Américo Margarido.
Numa das primeiras vezes que este carro foi para a pista, quando ele descia a pleno um pneu dechapou no meio do retão. Este acidente deixou marcas profundas no corpo de Margarido, que milagrosamente sobreviveu. Este Maserati fatídico para Luiz Américo foi restaurado e venceu por várias vezes a principal prova desta categoria a 500 quilômetros de Interlagos nas mãos de Roberto Galucci e o consagrou.
“Quero cumprimentar e render homenagens para todos aqueles dirigentes de clubes e associações que resgatam a história dos nossos carros e de nossos pilotos e, também, aqueles que através de seus sites divulgam e projetam tudo que acontece e já aconteceu na nossa história. Graças a este trabalho de todos vocês, saem do esquecimento figuras fantásticas como a de Luiz Américo Margarido, que precisa ser lembrado ao longo dos tempos como um dos melhores pilotos daquela época.
Parabéns a todos vocês e muito obrigado”.

Bird Clemente
Uma das lendas vivas do automobilismo brasileiro. Um dos melhores pilotos brasileiros de todos os tempos, disputou categorias nacionais entre as décadas de 1950 e 1970.
Entre suas conquistas estão vitórias, ao lado do irmão Nilson Clemente, nos 500 Km de Interlagos e nas Mil Milhas Brasileiras, ambas em 1973.

(reprodução/wikipedia)

Luiz Salomão

Blogueiro e arteiro multimídia por opção. Dublê de piloto do "Okrasa" Conexão direta com o esporte a motor!

68 comentários em “O REENCONTRO…

  • 29 de julho de 2008 em 08:04
    Permalink

    Nossa, esse Blog está ficando cada dia melhor. Relato do Senhor Bird Clemente é demais. Muito bom!

    Quem dera tivéssemos mais desses relatos contando as aventuras daquela época.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 08:04
    Permalink

    Nossa, esse Blog está ficando cada dia melhor. Relato do Senhor Bird Clemente é demais. Muito bom!

    Quem dera tivéssemos mais desses relatos contando as aventuras daquela época.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 08:34
    Permalink

    Putz, sem maiores comentários… reverência dessas vinda de um dos mestres dos bons tempos, a gente só lê, absorve e aprende!

    O boteco tá cada vez mais chique… sensacional! Só por isso acho que o evento de domingo já valeu a pena, pena não ter estado lá…

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 08:34
    Permalink

    Putz, sem maiores comentários… reverência dessas vinda de um dos mestres dos bons tempos, a gente só lê, absorve e aprende!

    O boteco tá cada vez mais chique… sensacional! Só por isso acho que o evento de domingo já valeu a pena, pena não ter estado lá…

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 10:43
    Permalink

    Loucura, ao lado do Bird, a Graziela Fernandes, que qdo. moleque via acelerar a Alfinha. Simpatia em pessoa. E pronto para subir ao palanque, o representante oficial da confraria!
    Foi legal.
    Saloma, botando pilha na moçada para o Paddck, tem de ter quórum para assistirmos o Nelsinho repetir um feito e passar o Alonso de lado!

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 10:43
    Permalink

    Loucura, ao lado do Bird, a Graziela Fernandes, que qdo. moleque via acelerar a Alfinha. Simpatia em pessoa. E pronto para subir ao palanque, o representante oficial da confraria!
    Foi legal.
    Saloma, botando pilha na moçada para o Paddck, tem de ter quórum para assistirmos o Nelsinho repetir um feito e passar o Alonso de lado!

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 11:17
    Permalink

    O Margarido eu só ouvi falar, uma pena. Deveria aprender mais sobre ele. Mas o Bird eu tenho a honra de conhece-lo e já ter ouvido várias histórias contadas por ele. Memória fantástica.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 11:17
    Permalink

    O Margarido eu só ouvi falar, uma pena. Deveria aprender mais sobre ele. Mas o Bird eu tenho a honra de conhece-lo e já ter ouvido várias histórias contadas por ele. Memória fantástica.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 12:46
    Permalink

    Pessoal, essa homenagem do Bird ao Margarido é mais do que marecida.
    Muito poucas pessoas se lembram desse piloto, que foi um dos mais importantes do nosso automobilismo, representante digno da época em que se pilotavam carros de corrida só com a coragem e pela paixão.
    Era preciso muito peito para domar aqueles carros e carreteras com poderosos motores Corvette, Thunderbird e outros, que andavam muito, mas não tinham suspensão, freios e pneus adequados.
    Os pneus diagonais dechapavam e os freios superaquecidos perdiam totalmente a já pouca eficiencia.
    Hoje que só se fala em segurança, aqueles carros seriam impedidos até de dar uma volta de quateirão…quanto menos andar em uma pista de corridas.
    Eu sou testemunha da grande emoção que acompanhou os pilotos presentes a esse evento, ao reverem o grande Luiz Américo Margarido.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 12:46
    Permalink

    Pessoal, essa homenagem do Bird ao Margarido é mais do que marecida.
    Muito poucas pessoas se lembram desse piloto, que foi um dos mais importantes do nosso automobilismo, representante digno da época em que se pilotavam carros de corrida só com a coragem e pela paixão.
    Era preciso muito peito para domar aqueles carros e carreteras com poderosos motores Corvette, Thunderbird e outros, que andavam muito, mas não tinham suspensão, freios e pneus adequados.
    Os pneus diagonais dechapavam e os freios superaquecidos perdiam totalmente a já pouca eficiencia.
    Hoje que só se fala em segurança, aqueles carros seriam impedidos até de dar uma volta de quateirão…quanto menos andar em uma pista de corridas.
    Eu sou testemunha da grande emoção que acompanhou os pilotos presentes a esse evento, ao reverem o grande Luiz Américo Margarido.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 13:28
    Permalink

    Ano, 1964 ou 1966 ou 1968…não sei precisar. Local São Paulo, a caça de uma melhora substâncial na motorização da Deka “Papa-Rua”.
    Bom é um relato meia-boca, porque já foi a muito tempo e o aprendiz de feiticeiro, hoje já está mais para aprendiz do sossego. É o seguinte, depois de uma prova de rua em Petrópolis, meu primo, viu que a Dekinha já estava no limite de preparação e depois papo de box, soube que em sampa, depois de algumas idas e vindas, tinha um piloto de carretera, que entendia um monte e motor e fazia acertos imprecionantes. Numa breve estadia na terrinha, ficou conhecendo o cabra e ficou acertado de fazer mais um motor, tudo novo, e deixar o velho e cançado motor, mas confiante, parado. Meu primo passou quase uma semana, quando veio apanhar a Deka em sampa (veio com ela rodando de Petrópolis).
    Vários conhecimentos e truques novos e motor montado na barata.
    Era tamanha a confiança no trabalho feito pelo piloto/preparador, que ficou acertado que iria voltar com ela rodando para amaciar e no final de
    semana. Traçou as paradas, os giros máximos e com câmbio longo, porque, o curto era usado somente para provas em Petrópolis, não haveria nenhuma situação problemática pela frente. E no sábado, rumou, em direção a serra. para não falar que não teve problemas, deu uma encrenca perto de Volta Redonda com o radiador, que depois de tanta surra, resolveu dar o ar da graça justamente na estrada. Trocado a bagaça, e pelo que soube, Amaury Mesquita, teve que ir até a cidade e levar a peça para troca. Um resto de estrada e serra acima…
    Era só alegria, gritava alto, melhorou um monte, tanto que tiveram que fazer acertos na suspensão e detalhe, acompanhou o motor um charuto especial para ser usado só com ele. Andava tanto essa Deka que, meu primo dando um dos seus treinos, marotos na estrada, indo para Juiz de Fora, saiu da pista e entortou a barata toda. Daí veio a hora e a vez do Malzoni vermelho, que hoje está com Boris Feldemman (amarelo)…
    Mundinho pequeno esse nosso, o piloto/prepador é nada menos que o
    Sr. Luiz Américo Margarido, tio de um brother nosso, Paulo Rodrigues, que tem uma linda Puma Dkw prata, que adesivei para a nossa apresentação na F1, a alguns anos atrás.
    Vida longa a todos que ministram no empenho de resgatar a tâo esquecida história do automobilísmo na terrinha…obrigado a todos os parceiros!
    LS

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 13:28
    Permalink

    Ano, 1964 ou 1966 ou 1968…não sei precisar. Local São Paulo, a caça de uma melhora substâncial na motorização da Deka “Papa-Rua”.
    Bom é um relato meia-boca, porque já foi a muito tempo e o aprendiz de feiticeiro, hoje já está mais para aprendiz do sossego. É o seguinte, depois de uma prova de rua em Petrópolis, meu primo, viu que a Dekinha já estava no limite de preparação e depois papo de box, soube que em sampa, depois de algumas idas e vindas, tinha um piloto de carretera, que entendia um monte e motor e fazia acertos imprecionantes. Numa breve estadia na terrinha, ficou conhecendo o cabra e ficou acertado de fazer mais um motor, tudo novo, e deixar o velho e cançado motor, mas confiante, parado. Meu primo passou quase uma semana, quando veio apanhar a Deka em sampa (veio com ela rodando de Petrópolis).
    Vários conhecimentos e truques novos e motor montado na barata.
    Era tamanha a confiança no trabalho feito pelo piloto/preparador, que ficou acertado que iria voltar com ela rodando para amaciar e no final de
    semana. Traçou as paradas, os giros máximos e com câmbio longo, porque, o curto era usado somente para provas em Petrópolis, não haveria nenhuma situação problemática pela frente. E no sábado, rumou, em direção a serra. para não falar que não teve problemas, deu uma encrenca perto de Volta Redonda com o radiador, que depois de tanta surra, resolveu dar o ar da graça justamente na estrada. Trocado a bagaça, e pelo que soube, Amaury Mesquita, teve que ir até a cidade e levar a peça para troca. Um resto de estrada e serra acima…
    Era só alegria, gritava alto, melhorou um monte, tanto que tiveram que fazer acertos na suspensão e detalhe, acompanhou o motor um charuto especial para ser usado só com ele. Andava tanto essa Deka que, meu primo dando um dos seus treinos, marotos na estrada, indo para Juiz de Fora, saiu da pista e entortou a barata toda. Daí veio a hora e a vez do Malzoni vermelho, que hoje está com Boris Feldemman (amarelo)…
    Mundinho pequeno esse nosso, o piloto/prepador é nada menos que o
    Sr. Luiz Américo Margarido, tio de um brother nosso, Paulo Rodrigues, que tem uma linda Puma Dkw prata, que adesivei para a nossa apresentação na F1, a alguns anos atrás.
    Vida longa a todos que ministram no empenho de resgatar a tâo esquecida história do automobilísmo na terrinha…obrigado a todos os parceiros!
    LS

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 13:44
    Permalink

    Como assim, “ex-automobilista”?
    Quem acelera ou acelerou é pra sempre, não existe “Ex”.
    Pra mim, Bird Clemente á um dos Grandes, um dos Deuses, um dos Mestres. E ainda maior, com ma passagem do tempo.
    E citou Ciro Cayres, “O cara”, já falecido, detentor do record absoluto do Templo por dez anos.
    Se Bird que é Gênio se emocionou com Margarido, é apenas mais uma prova da Grandeza de um dos Maiores Mestres do Ofício.
    Devemos honras eternas a cada um deles. Merecem cada aplauso, cada lembrança.
    Quem é Rei jamais perde a Majestade. Lembrar-se de uma manobra genial 50 anos depois só engrandeçe esse Homem, com H maiúsculo.
    Grande Bird Clemente. O Brasil não pode esquecer Homens assim.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 13:44
    Permalink

    Como assim, “ex-automobilista”?
    Quem acelera ou acelerou é pra sempre, não existe “Ex”.
    Pra mim, Bird Clemente á um dos Grandes, um dos Deuses, um dos Mestres. E ainda maior, com ma passagem do tempo.
    E citou Ciro Cayres, “O cara”, já falecido, detentor do record absoluto do Templo por dez anos.
    Se Bird que é Gênio se emocionou com Margarido, é apenas mais uma prova da Grandeza de um dos Maiores Mestres do Ofício.
    Devemos honras eternas a cada um deles. Merecem cada aplauso, cada lembrança.
    Quem é Rei jamais perde a Majestade. Lembrar-se de uma manobra genial 50 anos depois só engrandeçe esse Homem, com H maiúsculo.
    Grande Bird Clemente. O Brasil não pode esquecer Homens assim.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 13:50
    Permalink

    Romeu, você disse tudo. Hoje, se alia potência com excelentes freios, suspensão e estabilidade. Antes, muita velocidade e Deus para parar as bagaças.
    Jovino

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 13:50
    Permalink

    Romeu, você disse tudo. Hoje, se alia potência com excelentes freios, suspensão e estabilidade. Antes, muita velocidade e Deus para parar as bagaças.
    Jovino

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 13:51
    Permalink

    Cerega, concordo, mas o “ex” está ligado ao automobilísmo
    profissional como é referenciado nas fontes. Mas vamos passar por
    cima, porque, quem apita aqui somos nós e as fontes que se danem…
    LS

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 13:51
    Permalink

    Cerega, concordo, mas o “ex” está ligado ao automobilísmo
    profissional como é referenciado nas fontes. Mas vamos passar por
    cima, porque, quem apita aqui somos nós e as fontes que se danem…
    LS

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 14:02
    Permalink

    Sabe que é um privilégio poder, vez em quando, respirar o ar ao lado dessas lendas vivas merecedoras de todos os elogios, mais alguns.
    E quando começam a contar histórias então, é puro deleite.
    Sou um felizardo.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 14:02
    Permalink

    Sabe que é um privilégio poder, vez em quando, respirar o ar ao lado dessas lendas vivas merecedoras de todos os elogios, mais alguns.
    E quando começam a contar histórias então, é puro deleite.
    Sou um felizardo.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 14:51
    Permalink

    Saloma, menos, menos, tenho de trampar cazzo, como diz o FG.
    É muita cultura para os desavisados!
    Judia não, senão vou começar a colocar Histórias da TT, do Nivanor, da Família Lima, do Gui e da Soraya, Pai e Mãe do Rato e do Dudu, além de Saudades do Jacaré. Manéra brow. hahahahah. É nós!
    Vamos por hierarquia! Sou penúltimo da fila, e o PERDE CALOTA tá em stand by?

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 14:51
    Permalink

    Saloma, menos, menos, tenho de trampar cazzo, como diz o FG.
    É muita cultura para os desavisados!
    Judia não, senão vou começar a colocar Histórias da TT, do Nivanor, da Família Lima, do Gui e da Soraya, Pai e Mãe do Rato e do Dudu, além de Saudades do Jacaré. Manéra brow. hahahahah. É nós!
    Vamos por hierarquia! Sou penúltimo da fila, e o PERDE CALOTA tá em stand by?

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 14:56
    Permalink

    No “Bandeira Quadriculada” do Peralta há um texto muito bom do Senhor Margarido. Tem também uma foto dele junto com o Celso Lara Barberis com o carro que eles correram um 500 Kilometros com patrocínio da Bongotti.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 14:56
    Permalink

    No “Bandeira Quadriculada” do Peralta há um texto muito bom do Senhor Margarido. Tem também uma foto dele junto com o Celso Lara Barberis com o carro que eles correram um 500 Kilometros com patrocínio da Bongotti.

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 15:56
    Permalink

    Lindo texto do ídolo Bird. Bela himenagem ao Margarido. Realmente emocionante

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 15:56
    Permalink

    Lindo texto do ídolo Bird. Bela himenagem ao Margarido. Realmente emocionante

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 16:03
    Permalink

    Tô aqui xarope….Eu fico emocionado de verdade(vide farnel) de ver os tiozinhos que tanto pilotavam e agora vejo ao meu lado….demais!!!!
    Estava em Uberlandia e só cheguei às 14:00hs….

    A calota já está no lugar viu Dú….assim como a assadeira…hahahahahah

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 16:03
    Permalink

    Tô aqui xarope….Eu fico emocionado de verdade(vide farnel) de ver os tiozinhos que tanto pilotavam e agora vejo ao meu lado….demais!!!!
    Estava em Uberlandia e só cheguei às 14:00hs….

    A calota já está no lugar viu Dú….assim como a assadeira…hahahahahah

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 19:50
    Permalink

    Mas que bela lembrança essa do nosso pássaro mais veloz da terra. Esse é o Bird de tantas histórias , e aguardem um tremendo livro chegando ai pra nos dar o prazer de conhecer mais e mais sobre o automobilismo dos anos 50/60/70.

    Legal a história da Deka . Valeu Saloma……….

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 19:50
    Permalink

    Mas que bela lembrança essa do nosso pássaro mais veloz da terra. Esse é o Bird de tantas histórias , e aguardem um tremendo livro chegando ai pra nos dar o prazer de conhecer mais e mais sobre o automobilismo dos anos 50/60/70.

    Legal a história da Deka . Valeu Saloma……….

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 23:08
    Permalink

    Po Ronaldo, eu aqui louco pra contar histórias e vc entrega?
    Amigos, vcs nem I M A G I N A M o que vem por aí…
    Eu sei, já vi e li várias paginas…

    Resposta
  • 29 de julho de 2008 em 23:08
    Permalink

    Po Ronaldo, eu aqui louco pra contar histórias e vc entrega?
    Amigos, vcs nem I M A G I N A M o que vem por aí…
    Eu sei, já vi e li várias paginas…

    Resposta
  • 31 de julho de 2008 em 16:13
    Permalink

    Ola Bird e Salomão obrigado a todos por lembrar de uma pessoa que é muito importante para nós ,não só por ser um brilhante piloto ,mas sim por ser de nossa família. Novamente muito obrigado .

    Resposta
  • 31 de julho de 2008 em 16:13
    Permalink

    Ola Bird e Salomão obrigado a todos por lembrar de uma pessoa que é muito importante para nós ,não só por ser um brilhante piloto ,mas sim por ser de nossa família. Novamente muito obrigado .

    Resposta
  • 31 de julho de 2008 em 23:56
    Permalink

    Sou filha de Luiz Américo Margarido, e venho agradecer em nome dele e de toda nossa família, esta maravilhosa homenagem prestada por Bird Clemente. Meu pai ficou muito emocionado com o encontro e com palavras tão carinhosas. Obrigadaaaaaaaaaaaa!

    Resposta
  • 31 de julho de 2008 em 23:56
    Permalink

    Sou filha de Luiz Américo Margarido, e venho agradecer em nome dele e de toda nossa família, esta maravilhosa homenagem prestada por Bird Clemente. Meu pai ficou muito emocionado com o encontro e com palavras tão carinhosas. Obrigadaaaaaaaaaaaa!

    Resposta
  • 1 de agosto de 2008 em 00:41
    Permalink

    Nós é que agradecemos humildemente a presença de pessoas tão queridas no boteco…e Maria de Fatima, agradeça ao “Seu” Luiz, pelas alegrias que ele certa vez proporcionou a uma pessoa muito querida…
    abs a todos,
    LS

    Resposta
  • 1 de agosto de 2008 em 00:41
    Permalink

    Nós é que agradecemos humildemente a presença de pessoas tão queridas no boteco…e Maria de Fatima, agradeça ao “Seu” Luiz, pelas alegrias que ele certa vez proporcionou a uma pessoa muito querida…
    abs a todos,
    LS

    Resposta
  • 1 de agosto de 2008 em 02:14
    Permalink

    Maria de Fátima , que satisfação enorme encontra~la por aquí . Logo que saiu o post do Bird lembrei~me muito de vocês . Tentei de tõdas as formas , lembrar seu nome ou de alguma irmã sua , que nem sei se você tem , se não tiver , não tem jeito é você mesmo e me desculpo por esquecer o nome de um “BROTO” bonita e simpática , mas logo explíco . Primeiro porque seu pai é contemporâneo do meu , éram amigos de oficína , meu pai e minha mãe éram muito amigos do Victor Losacco e dona Felícia e seu pai estava sempre na oficína do Victor na 13 de Maio , então o conhecí muito novo , acho que com uns 4 ou 5 anos de idade . Seu pai foi algumas vêzes em casa , pois éra o meu pai que trazía peças para êles da América , isso foi por volta de 50 e nada . Muito bem , chegou sua vez , passam-se os anos e por volta de 67 ,68 tenho um amigo , que por sinal faz muito tempo que não nos vemos , Carlos Eduardo Neves o “Dardo” , namorou com você ou sua irmã , quando vocês moravam na Rua Itapicurú com a Monte Alegre , fui algumas vêzes com êle em sua casa e saímos algumas outras pela noite , déssa São Paulo desvairada dos anos 60 , você se lembra disso ? Se não , foi com sua irmã , por favor se informe e me dê um retôrno , pois não conseguí lembrar o nome da menina ( hoje uma senhora). A seu pai , dê-lhe um forte abraço com muito carinho , diga que é o filho do Ricardo , um moléque chato e travesso do qual êles chamavam carinhosamente de V8 . Não sei se lembrará , afinal êle deve estar por volta dos 90 , papai se fosse vivo estaria hoje com 94 , gostaria muito que sim , é sinal que ainda está com os 8 cilindro funcionando redondo .
    Foi um enorme prazer me comunicar com você , só possível , graças ao Botéco do Saloma , que um dia ainda mata um de nós , MATUZAS de plantão do coração . Porque as vêzes , pinta cada uma por aquí , que a bombinha dá umas FAIADA .
    Tudo de bom com saúde e sucesso pra você e familia . E apareça sempre , embóra êsse BOTÉCO cheire a gasolina e óleo é de respeito rsrs e vocês serão sempre bem vindos .

    Resposta
  • 1 de agosto de 2008 em 02:14
    Permalink

    Maria de Fátima , que satisfação enorme encontra~la por aquí . Logo que saiu o post do Bird lembrei~me muito de vocês . Tentei de tõdas as formas , lembrar seu nome ou de alguma irmã sua , que nem sei se você tem , se não tiver , não tem jeito é você mesmo e me desculpo por esquecer o nome de um “BROTO” bonita e simpática , mas logo explíco . Primeiro porque seu pai é contemporâneo do meu , éram amigos de oficína , meu pai e minha mãe éram muito amigos do Victor Losacco e dona Felícia e seu pai estava sempre na oficína do Victor na 13 de Maio , então o conhecí muito novo , acho que com uns 4 ou 5 anos de idade . Seu pai foi algumas vêzes em casa , pois éra o meu pai que trazía peças para êles da América , isso foi por volta de 50 e nada . Muito bem , chegou sua vez , passam-se os anos e por volta de 67 ,68 tenho um amigo , que por sinal faz muito tempo que não nos vemos , Carlos Eduardo Neves o “Dardo” , namorou com você ou sua irmã , quando vocês moravam na Rua Itapicurú com a Monte Alegre , fui algumas vêzes com êle em sua casa e saímos algumas outras pela noite , déssa São Paulo desvairada dos anos 60 , você se lembra disso ? Se não , foi com sua irmã , por favor se informe e me dê um retôrno , pois não conseguí lembrar o nome da menina ( hoje uma senhora). A seu pai , dê-lhe um forte abraço com muito carinho , diga que é o filho do Ricardo , um moléque chato e travesso do qual êles chamavam carinhosamente de V8 . Não sei se lembrará , afinal êle deve estar por volta dos 90 , papai se fosse vivo estaria hoje com 94 , gostaria muito que sim , é sinal que ainda está com os 8 cilindro funcionando redondo .
    Foi um enorme prazer me comunicar com você , só possível , graças ao Botéco do Saloma , que um dia ainda mata um de nós , MATUZAS de plantão do coração . Porque as vêzes , pinta cada uma por aquí , que a bombinha dá umas FAIADA .
    Tudo de bom com saúde e sucesso pra você e familia . E apareça sempre , embóra êsse BOTÉCO cheire a gasolina e óleo é de respeito rsrs e vocês serão sempre bem vindos .

    Resposta
  • 3 de agosto de 2008 em 19:39
    Permalink

    Ola amigos, a satisfação e a emoção de realizar um evento e obter sucesso não o financeiro, porque este foi um evento cultural, não tem preço.
    Mas a satisfação de reunir personalidades que foram, são e serão eternamente importantes para o nosso País, um País sem memória e sem apoio a eventos culturais desta magnitude de empresas na grande maioria multinacionais, onde por dois meses tentamos patrocínio para realizar um evento digno de abrigar estes senhores e a também importante Graziela Fernandes, mas não conseguimos e por isso faço este comentário, pois poderia ser muito melhor, mas como o nosso maior objetivo que era homenagea-los foi alcançado com o apoio de tantos amigos que compareceram com seus maravilhosos Automóveis e familiares, também fiquei muito emocionado ao conhecer e poder abraçar verdadeiros idolos sagrados do nosso Automobilismo e com o importante relato do nosso amigo Bird Clemente, obrigado ao Saloma por este espaço e obrigado a todos que abrilhantaram nosso evento.

    Ariel de Gusmão-Presidente
    Automóvel Clube do Brasil-SP

    Resposta
  • 3 de agosto de 2008 em 19:39
    Permalink

    Ola amigos, a satisfação e a emoção de realizar um evento e obter sucesso não o financeiro, porque este foi um evento cultural, não tem preço.
    Mas a satisfação de reunir personalidades que foram, são e serão eternamente importantes para o nosso País, um País sem memória e sem apoio a eventos culturais desta magnitude de empresas na grande maioria multinacionais, onde por dois meses tentamos patrocínio para realizar um evento digno de abrigar estes senhores e a também importante Graziela Fernandes, mas não conseguimos e por isso faço este comentário, pois poderia ser muito melhor, mas como o nosso maior objetivo que era homenagea-los foi alcançado com o apoio de tantos amigos que compareceram com seus maravilhosos Automóveis e familiares, também fiquei muito emocionado ao conhecer e poder abraçar verdadeiros idolos sagrados do nosso Automobilismo e com o importante relato do nosso amigo Bird Clemente, obrigado ao Saloma por este espaço e obrigado a todos que abrilhantaram nosso evento.

    Ariel de Gusmão-Presidente
    Automóvel Clube do Brasil-SP

    Resposta
  • 3 de agosto de 2008 em 20:05
    Permalink

    Ariel…é um prazer tê-lo por aqui no boteco. Digo para voce que a maior honrra foi quando chegou na cx. postal do blog esse relato primoroso do nosso querido Bird, uma das lendas vivas do automobilísmo brasileiro. E que nos colocou nessa vida de gasolina na veia que tanto gostamos. O espaço estará sempre aberto a vc e a todos que ministram a idéia de preservar a nossa já falha cultura automobilística na terrinha…
    Grande abs e apareça…
    LS

    Resposta
  • 3 de agosto de 2008 em 20:05
    Permalink

    Ariel…é um prazer tê-lo por aqui no boteco. Digo para voce que a maior honrra foi quando chegou na cx. postal do blog esse relato primoroso do nosso querido Bird, uma das lendas vivas do automobilísmo brasileiro. E que nos colocou nessa vida de gasolina na veia que tanto gostamos. O espaço estará sempre aberto a vc e a todos que ministram a idéia de preservar a nossa já falha cultura automobilística na terrinha…
    Grande abs e apareça…
    LS

    Resposta
  • 5 de agosto de 2008 em 13:43
    Permalink

    É umpressionante ler e reler as matérias aqui. É sem redundância, voltar para dentro de nossas memórias. Não deixarmos se perder no tempo os grandes valores q nosso Braisl teve. Um deles é Luis AMérico MARGARIDO, o qual, tenho o prazer de ter sua amizade, e orgulhosamnte ser chamado por ele de “rapaz”. Como eu poderia voltar ao tempo idos de 50 e poder ver pessoalmente o Margarido pilotando!!! Somente lendo esta maravilhosa matéria e a este Blog que parabezino o autor pelas demais matérias. Parabéns!!!

    Resposta
  • 5 de agosto de 2008 em 13:43
    Permalink

    É umpressionante ler e reler as matérias aqui. É sem redundância, voltar para dentro de nossas memórias. Não deixarmos se perder no tempo os grandes valores q nosso Braisl teve. Um deles é Luis AMérico MARGARIDO, o qual, tenho o prazer de ter sua amizade, e orgulhosamnte ser chamado por ele de “rapaz”. Como eu poderia voltar ao tempo idos de 50 e poder ver pessoalmente o Margarido pilotando!!! Somente lendo esta maravilhosa matéria e a este Blog que parabezino o autor pelas demais matérias. Parabéns!!!

    Resposta
  • 5 de agosto de 2008 em 17:23
    Permalink

    caro, Blotta Jr. apenas tentamos relatar aqui as histórias e um pouco mais
    de cultura automobilística…apareça sempre, o prazer é nosso!
    LS

    Resposta
  • 5 de agosto de 2008 em 17:23
    Permalink

    caro, Blotta Jr. apenas tentamos relatar aqui as histórias e um pouco mais
    de cultura automobilística…apareça sempre, o prazer é nosso!
    LS

    Resposta
  • 9 de agosto de 2008 em 18:58
    Permalink

    Luca. Boa noite! Primeiramente, peço desculpas pela demora da resposta. O Dardo foi namorado da minha irmã, Leda Marcia,porisso eu não me lembro muito bem. Mesmo assim agradeço o contato. Meu pai agradece e retribui o abraço.É sempre um prazer reecontrar antgas amizades.

    Resposta
  • 9 de agosto de 2008 em 18:58
    Permalink

    Luca. Boa noite! Primeiramente, peço desculpas pela demora da resposta. O Dardo foi namorado da minha irmã, Leda Marcia,porisso eu não me lembro muito bem. Mesmo assim agradeço o contato. Meu pai agradece e retribui o abraço.É sempre um prazer reecontrar antgas amizades.

    Resposta
  • 11 de agosto de 2008 em 02:36
    Permalink

    Maria de Fátima , o prazer foi todo meu . Não há de que se desculpar pela demóra , normal , melhor demorar do que faltar , não acha ? rsrs
    Sem querer incomodar e já incomodando , como diría o Jô , se você quizer e puder , mande ao Saloma algumas fotos do VETERANO em ação para nósso deleite . Posso lhe garantir que farão o maior sucesso . Obrigado

    Resposta
  • 11 de agosto de 2008 em 02:36
    Permalink

    Maria de Fátima , o prazer foi todo meu . Não há de que se desculpar pela demóra , normal , melhor demorar do que faltar , não acha ? rsrs
    Sem querer incomodar e já incomodando , como diría o Jô , se você quizer e puder , mande ao Saloma algumas fotos do VETERANO em ação para nósso deleite . Posso lhe garantir que farão o maior sucesso . Obrigado

    Resposta
  • 11 de agosto de 2008 em 15:19
    Permalink

    Luca, será um prazer enviar fotos de meu pai,mas, não sei como devo mandar, pra onde? Se puder me ajudar… Será que há preferencia pelas carreteras ou outros? Abraço.

    Resposta
  • 11 de agosto de 2008 em 15:19
    Permalink

    Luca, será um prazer enviar fotos de meu pai,mas, não sei como devo mandar, pra onde? Se puder me ajudar… Será que há preferencia pelas carreteras ou outros? Abraço.

    Resposta
  • 11 de agosto de 2008 em 16:22
    Permalink

    Maria de Fátima…se Luca permitir o atrevimento, vc pode enviar para o endereço do blog. E se isso for possível, peço a vc para legendar as fotos. E pode ficar a vontade para mandar um perfil ou um texto sobre o “mestre”…
    abs
    LS

    Resposta
  • 11 de agosto de 2008 em 16:22
    Permalink

    Maria de Fátima…se Luca permitir o atrevimento, vc pode enviar para o endereço do blog. E se isso for possível, peço a vc para legendar as fotos. E pode ficar a vontade para mandar um perfil ou um texto sobre o “mestre”…
    abs
    LS

    Resposta
  • 12 de agosto de 2008 em 00:15
    Permalink

    Luiz.. desculpe, qual endreço exatamente? Abraço.

    Resposta
  • 12 de agosto de 2008 em 00:15
    Permalink

    Luiz.. desculpe, qual endreço exatamente? Abraço.

    Resposta
  • 15 de agosto de 2008 em 00:45
    Permalink

    Olá Maria de Fátima ! Tudo bem ?
    Em primeiro lugar , quero agradecer à atenção dispensada á nós MATUZAS do Botéco . É que a falta de documentos dos anos 70 para traz é imensa . Na minha opinião , as décadas de 50 e 60 são as mais românticas do automobilismo e seu pai foi um ícone déssa época . Dá de 50 ví muito pouco , conheço mais pelas histórias de meu pai , mas à de 60 viví intensamente . Nóssa preferência , sem dúvida são as Carreteras e as OUTRAS rsrsrs . Faço idéia do arquivo farto que vocês devem ter , por isso , mande o que quiser . Tendo quatro rodas , motorzão , escapamento diréto uns números pintados e um maluco de capacete no comando … Tudo vai ser muito bem vindo . Não tenha dúvidas .
    Quanto à ajuda , Saloma já resolveu , é isso.
    Sôbre a Leda , assim que você citou , lembrei , ainda bem né ? Sinal que no tranco ainda pégo , menos mal . rsrs De minhas lembraças á ela .
    E a você Saloma , nem pense uma coisa déssa , é pra por na roda mesmo . Só lhe rogo encarecidamente que poste com um tamanho legal , para que a gente possa arquivar e aumentar legal sem distorções . Ok ?
    Muito Obrigado

    Abs

    Resposta
  • 15 de agosto de 2008 em 00:45
    Permalink

    Olá Maria de Fátima ! Tudo bem ?
    Em primeiro lugar , quero agradecer à atenção dispensada á nós MATUZAS do Botéco . É que a falta de documentos dos anos 70 para traz é imensa . Na minha opinião , as décadas de 50 e 60 são as mais românticas do automobilismo e seu pai foi um ícone déssa época . Dá de 50 ví muito pouco , conheço mais pelas histórias de meu pai , mas à de 60 viví intensamente . Nóssa preferência , sem dúvida são as Carreteras e as OUTRAS rsrsrs . Faço idéia do arquivo farto que vocês devem ter , por isso , mande o que quiser . Tendo quatro rodas , motorzão , escapamento diréto uns números pintados e um maluco de capacete no comando … Tudo vai ser muito bem vindo . Não tenha dúvidas .
    Quanto à ajuda , Saloma já resolveu , é isso.
    Sôbre a Leda , assim que você citou , lembrei , ainda bem né ? Sinal que no tranco ainda pégo , menos mal . rsrs De minhas lembraças á ela .
    E a você Saloma , nem pense uma coisa déssa , é pra por na roda mesmo . Só lhe rogo encarecidamente que poste com um tamanho legal , para que a gente possa arquivar e aumentar legal sem distorções . Ok ?
    Muito Obrigado

    Abs

    Resposta
  • 15 de agosto de 2008 em 01:07
    Permalink

    Luca…fique tranquilo, qto. as fotos sempre são postadas em tamanho bom para a galera visualizar nos detalhes a bagaça!
    abs
    LS

    Resposta
  • 15 de agosto de 2008 em 01:07
    Permalink

    Luca…fique tranquilo, qto. as fotos sempre são postadas em tamanho bom para a galera visualizar nos detalhes a bagaça!
    abs
    LS

    Resposta
  • 19 de agosto de 2008 em 15:17
    Permalink

    Luiz… boa tarde! Enviei alguns emails com fotos, você os recebeu? Abraços.

    Resposta
  • 19 de agosto de 2008 em 15:17
    Permalink

    Luiz… boa tarde! Enviei alguns emails com fotos, você os recebeu? Abraços.

    Resposta
  • 19 de agosto de 2008 em 15:28
    Permalink

    Sim…e galera vai gostar muito do que vai ver! Debulando as pautas já confirmadas, vai em seguida…

    Resposta
  • 19 de agosto de 2008 em 15:28
    Permalink

    Sim…e galera vai gostar muito do que vai ver! Debulando as pautas já confirmadas, vai em seguida…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.